#chegadecorrupção

Entre os tempos

O que eu ouvi primeiro foi o silêncio. Isso me assustou. Queria gritos, mas quanto mais esticava os ouvidos para captar os sons da rua, mais temia a verdade.

O que eu ouvi primeiro foi o silêncio. Isso me assustou. Queria gritos, mas quanto mais esticava os ouvidos para captar os sons da rua, mais temia a verdade.

Estava numa deliciosa tarde de autógrafos do meu novo livro infantil: As aventuras do tempo. Meu amigo Afonso Borges havia preparado uma festa de delicadezas. Já que a mensagem do livro é que criança deve brincar, ouvir histórias, curtir a relação com os avós, a festa era tudo isso. As crianças brincaram, ouviram histórias, escreveram cartas para os avós, no pátio interno do Museu do Brinquedo, em Belo Horizonte. A fila não parou. Perto das cinco, o tempo virou. A chuva veio fria e com vento. Presságio? Um aviso de que lavaríamos a nossa alma, ou de que nosso sonho iria por água abaixo? Corremos para dentro do Museu, a fila se reorganizou de alguma forma, serpenteando entre as prateleiras de brinquedos.

Estava numa deliciosa tarde de autógrafos do meu novo livro infantil: As aventuras do tempo. Meu amigo Afonso Borges havia preparado uma festa de delicadezas. Já que a mensagem do livro é que criança deve brincar, ouvir histórias, curtir a relação com os avós, a festa era tudo isso. As crianças brincaram, ouviram histórias, escreveram cartas para os avós, no pátio interno do Museu do Brinquedo, em Belo Horizonte. A fila não parou. Perto das cinco, o tempo virou. A chuva veio fria e com vento. Presságio? Um aviso de que lavaríamos a nossa alma, ou de que nosso sonho iria por água abaixo? Corremos para dentro do Museu, a fila se reorganizou de alguma forma, serpenteando entre as prateleiras de brinquedos.

Olhei o relógio. Faltavam dez minutos para as cinco da tarde. Estava chegando o momento. Metade de mim se divertia com a algazarra do lançamento, a outra metade vigiava, atenta a qualquer sinal que viesse das…

Continue lendo na fonte

Comentários