#chegadecorrupção

O jornalismo permanente

O celular tocou hoje às seis horas e oito minutos, em pleno sábado, e desligou em seguida. Acordei e vi que era de um colega da Globonews. Retornei assustada.

O celular tocou hoje às seis horas e oito minutos, em pleno sábado, e desligou em seguida. Acordei e vi que era de um colega da Globonews. Retornei assustada.

– Ledu? Me ligou? O que aconteceu?

– Ledu? Me ligou? O que aconteceu?

– A república não caiu. Eu é que liguei sem querer.

– A república não caiu. Eu é que liguei sem querer.

Jornalistas são pilhados. Ele deveria é estar dormindo, em vez de estar acordando os outros. Fiquei pensando nessa profissão de gente intensa. Amanhã é 7 de abril. Dia do jornalista e meu aniversário. Adoro essa coincidência. Sinto como um sinal de que estava escrito nas estrelas que seguiria esse caminho. Lembro ainda do primeiro dia, assustada e deslumbrada, em uma redação. Era uma sala pequena, mas achei vibrante aquele ambiente no qual os chefes eram tratados por “você”, escrevia-se freneticamente em máquinas barulhentas, e as ironias eram sempre parte dos diálogos.

Jornalistas são pilhados. Ele deveria é estar dormindo, em vez de estar acordando os outros. Fiquei pensando nessa profissão de gente intensa. Amanhã é 7 de abril. Dia do jornalista e meu aniversário. Adoro essa coincidência. Sinto como um sinal de que estava escrito nas estrelas que seguiria esse caminho. Lembro ainda do primeiro dia, assustada e deslumbrada, em uma redação. Era uma sala pequena, mas achei vibrante aquele ambiente no qual os chefes eram tratados por “você”, escrevia-se freneticamente em máquinas barulhentas, e as ironias eram sempre parte dos diálogos.

Entrei por acaso nesse caminho. Procurava emprego após passar no vestibular de História. O primeiro chefe desenhou um triângulo, inverteu o papel e disse:

Entrei por acaso nesse caminho. Procurava emprego após passar no vestibular de História. O primeiro chefe desenhou um…

Continue lendo na fonte

Comentários