#chegadecorrupção

Paulo Vieira de Souza reitera ao Supremo pedido de liberdade

O ex-diretor de engenharia da Dersa Paulo Vieira de Souza, suspeito de ser operador de propinas do PSDB, reiterou nesta sexta-feira (8) pedido de liberdade ao Supremo Tribunal Federal (STF). O caso está sob análise do ministro Gilmar Mendes, que no ano passado deu duas decisões para libertar Souza.

O ex-diretor de engenharia da Dersa Paulo Vieira de Souza, suspeito de ser operador de propinas do PSDB, reiterou nesta sexta-feira (8) pedido de liberdade ao Supremo Tribunal Federal (STF). O caso está sob análise do ministro Gilmar Mendes, que no ano passado deu duas decisões para libertar Souza.

Paulo Viera de Souza foi preso há duas semanas na fase de número 60 da Lava Jato, que também envolveu o ex-senador tucano Aloysio Nunes Ferreira.

Paulo Viera de Souza foi preso há duas semanas na fase de número 60 da Lava Jato, que também envolveu o ex-senador tucano Aloysio Nunes Ferreira.

Em 2018, Paulo Vieira foi preso duas vezes em outro processo, que apura desvio de dinheiro das desapropriações do Rodoanel, mas foi solto por ordem de Gilmar Mendes. Depois, a Segunda Turma decidiu impor prisão domiciliar.

Em 2018, Paulo Vieira foi preso duas vezes em outro processo, que apura desvio de dinheiro das desapropriações do Rodoanel, mas foi solto por ordem de Gilmar Mendes. Depois, a Segunda Turma decidiu impor prisão domiciliar.

A prisão de Paulo Vieira de Souza, por ordem da Justiça Federal em Curitiba, se refere às delações do empresário e operador financeiro Adir Assad e de ex-executivos da Odebrecht, que relataram pagamento de propina a integrantes do PSDB por meio do ex-diretor da Dersa.

A prisão de Paulo Vieira de Souza, por ordem da Justiça Federal em Curitiba, se refere às delações do empresário e operador financeiro Adir Assad e de ex-executivos da Odebrecht, que relataram pagamento de propina a integrantes do PSDB por meio do ex-diretor da Dersa.

De acordo com a Lava Jato, Paulo Vieira de Souza tinha, em 2010, cerca…

Continue lendo na fonte

Comentários