#chegadecorrupção

Rocha Loures diz à Justiça que nunca abriu mala com R$ 500 mil entregue pela JBS

O ex-deputado e ex-assessor especial do presidente Michel Temer, Rodrigo Rocha Loures, afirmou em depoimento ao juiz da 15ª Vara Federal de Brasília, Jaime Travassos, que nunca abriu a mala recebida da JBS com R$ 500 mil em São Paulo, no ano passado.

O ex-deputado e ex-assessor especial do presidente Michel Temer, Rodrigo Rocha Loures, afirmou em depoimento ao juiz da 15ª Vara Federal de Brasília, Jaime Travassos, que nunca abriu a mala recebida da JBS com R$ 500 mil em São Paulo, no ano passado.

O site do jornal “O Globo” publicou neste sábado (10) reportagem com os vídeos do depoimento de Rocha Loures, prestado na última quarta-feira (7).

O site do jornal “O Globo” publicou neste sábado (10) reportagem com os vídeos do depoimento de Rocha Loures, prestado na última quarta-feira (7).

O ex-deputado, que chegou a ser preso, é réu por corrupção passiva no processo que trata sobre o caso da mala. Ele foi filmado pela Polícia ao receber a mala, em uma pizzaria, do ex-executivo do grupo J&F Ricardo Saud – segundo o Ministério Público, o dinheiro seria propina para Temer, que sempre negou.

O ex-deputado, que chegou a ser preso, é réu por corrupção passiva no processo que trata sobre o caso da mala. Ele foi filmado pela Polícia ao receber a mala, em uma pizzaria, do ex-executivo do grupo J&F Ricardo Saud – segundo o Ministério Público, o dinheiro seria propina para Temer, que sempre negou.

De acordo com delatores da J&F, o dinheiro era parte de um suborno que valeria por 20 anos, uma espécie de mesada para Rocha Loures e para Temer em troca de atuação junto ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). O objetivo, segundo os delatores, era resolver uma disputa sobre o preço do gás fornecido pela Petrobras a uma termelétrica do grupo J&F.

De acordo com delatores da J&F, o dinheiro era parte de um suborno que valeria por 20 anos, uma espécie de mesada para Rocha Loures e para Temer em troca de…

Continue lendo na fonte

Comentários