#chegadecorrupção

Pedido de vista adia decisão em julgamento no TRF-4 sobre segunda condenação de José Dirceu na Lava Jato

Um pedido de vistas do desembargador Victor Laus, na noite desta quarta-feira (30), adiou a decisão no julgamento do ex-ministro José Dirceu no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre. O processo é relativo à segunda condenação do réu por fatos investigados na Operação Lava Jato.

Um pedido de vistas do desembargador Victor Laus, na noite desta quarta-feira (30), adiou a decisão no julgamento do ex-ministro José Dirceu no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre. O processo é relativo à segunda condenação do réu por fatos investigados na Operação Lava Jato.

Acusado de irregularidades em contrato para fornecimento de tubos para a Petrobras, ele havia sido condenado a 11 anos pelo juiz Sérgio Moro. Durante o julgamento que teve início nesta quarta, o relator dos processos da Lava Jato em segunda instância, João Pedro Gebran Neto, havia votado pela redução da pena para oito anos e 10 meses.

Acusado de irregularidades em contrato para fornecimento de tubos para a Petrobras, ele havia sido condenado a 11 anos pelo juiz Sérgio Moro. Durante o julgamento que teve início nesta quarta, o relator dos processos da Lava Jato em segunda instância, João Pedro Gebran Neto, havia votado pela redução da pena para oito anos e 10 meses.

Dirceu cumpre pena na Penitenciária da Papuda, em Brasília, desde 18 de maio, quando se entregou à Polícia Federal após ter todos os recursos relativos à primeira condenação negados no TRF-4. Na ocasião, ele teve a pena aumentada de 20 anos e 10 meses para 30 anos e 9 meses.

Dirceu cumpre pena na Penitenciária da Papuda, em Brasília, desde 18 de maio, quando se entregou à Polícia Federal após ter todos os recursos relativos à primeira condenação negados no TRF-4. Na ocasião, ele teve a pena aumentada de 20 anos e 10 meses para 30 anos e 9 meses.

A segunda ação penal se originou a partir da 30ª fase da operação. Dirceu responde por…

Continue lendo na fonte

Comentários

Leave a comment