#chegadecorrupção

Tecnologia nas eleições: vale tudo? #NãoValeTudo

Discutir tecnologia pode parecer algo que pessoas de outras gerações fazem, não é? Quem nunca ouviu seus avós comentarem sobre o uso excessivo de redes sociais e da pouca reflexão acerca dessa nova realidade? Eles não estão errados, não. Com qual frequência você fala sobre a presença da tecnologia na sua vida e na vida de quem lhe rodeia? Como isso influencia suas ideias, suas atitudes, seus círculos sociais? Pouco pensamos sobre, pouco discutimos essa realidade.

E mais: quando adicionamos ao contexto alguma questão séria, como a escolha de nossos representantes políticos nos poderes Legislativo e Executivo, discutir tecnologia se torna ainda mais necessário. As eleições de 2018, por óbvio, serão as eleições com a maior influência das tecnologias na história e muitas pessoas não pararam para refletir quais as consequências da equação: tecnologia + relações sociais + polarização + notícias falsas + eleições = (?).

Felizmente, várias outras pessoas já pensaram, discutiram e pesquisaram a fundo as consequências dessa nova realidade. O Instituto Tecnologia & Equidade, AppCivico, Idec, Internet Lab, Instituto Update, Transparência Partidária, Transparência Internacional e Open Knowledge Brasil, criaram um movimento chamado #NãoValeTudo, que visa à conscientização e ação para com o uso ético da tecnologia nas eleições.  Vamos entender esse manifesto sobre o que é ético, ou não, no uso de tecnologias no processo eleitoral?

“Não importa se você é cidadã(o), candidata(o), milita em algum partido político, faz parte de alguma startup ou gigante de tecnologia, canal de mídia, trabalha na justiça eleitoral, ministério público ou organização da sociedade civil.

Precisamos falar urgentemente sobre o uso ético de tecnologia nas eleições.”

Assim começa a carta do movimento #NãoValeTudo, uma iniciativa coletiva apartidária das organizações Instituto Tecnologia & Equidade, AppCivico, Idec,…

Continue lendo na fonte

Comentários

Leave a comment